Publicidade

quarta-feira, 1 de março de 2017

Universo/Vitória perde em casa, mas se mantem no G-4 e sai aplaudido de ginásio lotado


O torcedor rubro-negro que foi ao Ginásio Poliesportivo de Cajazeiras, neste sábado (25), aplaudiu o Universo/Vitória, que acabou tropeçando no Mogi das Cruzes/Helbor no NBB CAIXA 2016/2017. O Leão dominou quase toda a partida e chegou a ficar com 17 pontos de frente, porém, fez um péssimo último quarto e não conseguiu colocar o bloco na rua, perdendo com o placar de 60 a 63.
Com o resultado, o Leão caiu uma posição na tabela de classificação, ficando em quarto lugar, com 66,7 % de aproveitamento, empatado com o Gocil/Bauru, com quem também está empatado em quarto, na classificação por pontos, e com quem disputará outro confronto direto no próximo jogo. Já o Mogi, assume o terceiro lugar, com 68,2% de aproveitamento.
Para o técnico Régis Marreli, o ataque rubro-negro não foi bem nesta tarde. “Tem acontecido isso no campeonato. Às vezes, nossa equipe para. Tomar 63 pontos de uma equipe como o Mogi é normal, mas fazer 60 pontos dentro de casa é pouco. Erramos muitos contra-ataques. A gente não foi bem ofensivamente”, analisou o treinador.
O quinteto titular do Universo/Vitória foi composto por Arthur, Kenny Dawkis, André Góes, Coimbra e Chris Hayes. O rubro-negro jogou desfalcado de Key, que sofreu lesão na última partida contra Campo Mourão e Douglas Kurtz, que segue em tratamento.
Sem tempo para lamentar, Marrelli já pensa nos próximos compromissos. “Não dá tempo para sofrer com a derrota, o campeonato é muito equilibrado e temos dois confrontos fora de casa contra Bauru e Franca. Hoje ainda dói bastante, mas temos que virar a página”, concluiu.
O Universo/Vitória só volta a jogar após o carnaval, no dia 07 de março, fora de casa, contra o Bauru, também em confronto direto.
CARNAVAL EM CAJAZEIRAS
Durante o jogo, diversas ações carnavalescas foram realizadas para os 1389 rubro-negros presentes no ginásio. Teve a Fanfarra do Java na entrada recepcionando os rubro-negros, o grupo Velha Bahia, e sorteio de abadás do Largadinho e de uniformes do Universo/Vitória.
O grupo Velha Bahia é composto por senhoras entre 50 e 84 anos da Comunidade de Cajazeiras que cantam, dançam e tocam instrumentos, e já se apresentaram no Teatro Castro Alves, na casa de show de Carlinhos de Jesus no Rio de Janeiro, em Foz do Iguaçu e na Argentina. No jogo, fizeram um trecho do espetáculo O Cortejo, retratando as festas de largo da Bahia, com a participação de um Filho de Gandhi.
Não fosse a derrota nos últimos dois minutos de jogo, a festa teria sido completa. Concentração na Chácara Vidigal Guimarães pela primeira vez na história do basquete e do Barradão, ações no intervalo, transmissão ao vivo por uma emissora de TV aberta e uma torcida alucinada e numerosa prestigiando o basquete rubro-negro, que vive seu melhor momento desde que entrou no NBB CAIXA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário