GOVERNO DO ESTADO. BAHIA, AQUI É TRABALHO

sexta-feira, 6 de novembro de 2020

SBT desiste de exibir Sul-Americana, que ainda possui Bahia e Vasco na disputa

 

A emissora SBT e a Conmebol tinham negociações encaminhadas para que os jogos da Copa Sul-Americana fossem transmitidos no Brasil. Entretanto, com o São Paulo eliminado na última quarta-feira (4) e o Bahia precisando vencer com diferença de dois gols para se manter na disputa nesta quinta (5), a empresa televisiva desistiu de exibir a competição.

 

O acordo para seguir transmitindo os jogos das equipes brasileiras estava quase definido, antes mesmo do início da segunda fase. A ideia era que a emissora seguisse exibindo os jogos de São Paulo, Bahia e Vasco, que estavam garantidos na disputa até então. 

 

Com a eliminação do time paulista, a emissora desistiu de seguir com a transmissão dos jogos de apenas dois clubes, principalmente com o Bahia precisando vencer com o folga na partida de volta contra o Melgar nesta quinta, na Arena Fonte Nova, às 21h30. 

 

O Vasco conseguiu vencer o primeiro jogo contra o Caracas e empatou o segundo em 0 e 0 e segue na disputa. O São Paulo chegou a vencer o Lanús por 4 a 3, mas precisava de uma diferença de dois pontos para seguir na competição, já que tinha perdido o primeiro duelo por 3 a 2. 

 

Abrindo mão do restante da Sul-Americana, o SBT segue com o acordo de transmitir a Copa Libertadores.


Na volta à Fonte Nova, Bahia goleia e se classifica na Sul-Americana

 

O Bahia goleou o Melgar na noite desta quinta-feira (5) por 4×0 e está classificado para a terceira fase da Sul-Americana. Fessin (2), Gregore e Gilberto fizeram os gols, todos no primeiro tempo. Foi o primeiro jogo na Arena Fonte Nova após a parada provocada pela pandemia.

Agora o tricolor vai enfrentar o Union de Santa Fé (ARG). O outro brasileiro classificado para as oitavas, o Vasco, também terá um time argentino pela frente, o Defensa y Justicia.

O técnico Mano Menezes mandou a campo Douglas, Nino, Juninho, Lucas Fonseca e Juninho Capixaba; Gregore (Ronaldo), Elias, Daniel (Rodriguinho); Elber (Rossi), Gilberto (Saldanha) e Fessin (Alesson).

Aglomeração

Nota negativa aconteceu antes do jogo. Após serem flagrados em aglomeração, descumprindo protocolos de segurança no combate ao novo coronavírus, o lateral-esquerdo Matheus Bahia, o volante Edson e o atacante Clayson foram cortados da relação para o jogo. 

quinta-feira, 5 de novembro de 2020

Uefa encaminha pedido para Fifa alterar regra de mão na bola

 

A Uefa quer flexibilizar as punições por mão na bola no futebol. Para isso, Aleksander Ceferin, presidente da entidade, enviou a Gianni Infantino, mandatário da Fifa, uma carta pedindo uma reunião para debater o assunto. O intuito é que a penalidade não seja tão rigorosa para jogadores e equipes. 

 

Segundo a agência norte-americana The Associated Press, Ceferin pede no documento encaminhado que uma reunião seja organizada ainda este mês para reconsiderar a regra de bola na mão durante as partidas. Para ele, os lances devem voltar a serem avaliados pelo árbitro responsável, definido como ação proposital ou não por parte do jogador envolvido.

 

“A tentativa de definir estritamente os casos em que a bola toca na mão é um crime e resultou em muitas decisões injustas que foram recebidas com crescente frustração e desconforto pela comunidade do futebol”, declarou o presidente da Uefa.

 

“Acontece com bastante frequência que a bola bate acidentalmente nas mãos ou nos braços dos jogadores. Mas o espírito da lei é claro que, sendo esses casos inevitáveis, eles não devem ser punidos para evitar a fragmentação excessiva do jogo e até mesmo para permitir que situações perigosas decidam o resultado das partidas”, posicionou o dirigente.

 

Ele ainda alega que muitos pênaltis que decidiram jogos importantes foram dados injustamente devido a rigidez da regra. 

 

A medida que generaliza a punição a qualquer situação em que a bola tenha contato com a mão ou braço do jogador, de forma intencional ou não, passou a ser mundialmente usada nas competições desde o ano passado. 


terça-feira, 3 de novembro de 2020

Anderson Silva confirma sua aposentadoria do MMA

 


Em mensagem postada no Instagram neste domingo (1º), Anderson Silva confirmou que a luta de sábado (31), contra Uriah Hall, foi a última de sua carreira.

O UFC (Ultimate Fighting Championship), principal organizadora de eventos de MMA do mundo, havia feito todo o marketing do combate como a despedida do brasileiro, mas ele havia deixado aberta a possibilidade de continuar.

"Hoje é um dia bem diferente por um simples motivo, ME DESPEDIR DE UMA VIDA INTEIRA DEDICADA AO MEU ESPORTE; ontem foi tão especial quanto, subi lá para fazer o que amo, eu não imaginava que iria ficar tão feliz como eu estou, mesmo perdendo, estou com um sentimento de paz, do fundo do meu coração quero agradecer todos vocês, meu time, minha família, meus amigos e todos que viram a luta; saibam que sempre foi uma grande honra lutar todos esses anos com a torcida de vocês!!!", escreveu em uma de suas redes sociais.

Maior nome do país na história do MMA e considerado um dos maiores da modalidade em todos os tempos, Anderson Silva perdeu por nocaute técnico no sábado. Foi sua 11ª derrota na carreira no UFC. Seu cartel é de 34 vitórias, 11 derrotas e uma luta que teve o resultado anulado.

Dono do mais longo reinado da história do UFC, como campeão do peso médio, de 2006 a 2013, Anderson Silva teve dez vitórias em defesas de título, até perder para Chris Weidman em julho de 2013. Na revanche, ele quebrou a perna ao tentar acertar um chute no norte-americano.

O resultado de seu combate de retorno, vitória contra Nick Díaz, em janeiro de 2015, foi considerado nulo porque ele teve resultado positivo em teste de doping. Anderson Silva sempre negou ter consumido substâncias proibidas, mas foi suspenso por um ano e multado em US$ 380 mil (cerca de R$ 2,5 milhões em valores atuais).

segunda-feira, 2 de novembro de 2020

Seleção pode ter quinto desfalque em novembro; Eder Militão está com Covid-19

 

O zagueiro Eder Militão testou positivo para o novo coronavírus, confirmou nesta segunda-feira (2) o Real Madrid. O defensor não deve se recuperar a tempo dos jogos de novembro nas eliminatórias da Copa e, dessa forma, virar o quinto desfalque brasileiro na relação divulgada pelo técnico Tite.

O Brasil enfrenta a Venezuela, em São Paulo, no dia 13. Quatro dias depois, tem o esperado clássico contra o Uruguai, em Montvidéo.

Por contusão, o volante Fabinho e o meia Philippe Coutinho foram substituídos por Allan e Lucas Paquetá, respesctivamente. Neymar também está machucado, mas não teve o corte ainda oficializando. Assim como o lateral-esquerdo Alex Telles, que também está com a Covid-19.


domingo, 1 de novembro de 2020

Anderson Silva é nocauteado em luta de despedida do UFC

 

Anderson Silva foi derrotado por nocaute técnico pelo jamaicano Uriah Hall, 36, em Las Vegas, na noite deste sábado (31). A luta foi considerada a despedida do brasileiro do UFC (Ultimate Fighting Championship), aos 45 anos.

Maior nome da história brasileira no MMA e considerado um dos maiores lutadores da história, Silva perdeu pela 11ª vez na carreira. Seu cartel é de 34 vitórias, 11 derrotas e uma luta que teve o resultado anulado.

Apesar de ter iniciado bem o combate deste sábado, acertando jabs no rosto do rival, nove anos mais jovem, Anderson perdeu o controle da luta no terceiro dos cinco rounds. No quarto, foi derrubado por Hall, que desferiu diversos socos no brasileiro, até que o juiz paralisou a luta.

“Eu te amo. Eu ainda acho que você é o maior de todos”, disse Hall para Silva ao abraçá-lo, após o nocaute. O jamaicano chorava copiosamente e chegou à 17ª vitória em 26 lutas.

O evento foi tratado como a despedida de Anderson Silva do MMA, mas o brasileiro deixou em aberto a possibilidade de voltar a entrar no octógono. Ainda resta um combate em seu contrato com o UFC.

“Eu acho que pode ser ter sido a última luta, sim. Mas foi em comum acordo entre o Dana [White, presidente do UFC] e a gente. Vamos ver. Pode ser que eu faça a outra luta que eu tenho no contrato, pode ser que não. Tudo pode acontecer”, disse ele, em entrevista na última quarta-feira (28).

(Com informações do jornal Folha de S. Paulo)


Hamilton ganha em Ímola e fica a uma corrida do hepta

 

Recordista de vitórias da Fórmula 1, Lewis Hamilton alcançou neste domingo (1º), no Grande Prêmio da Emilia-Romagna, o 93º triunfo da carreira. Os resultados do inglês e do finlandês Valtteri Bottas, que terminou a prova em segundo lugar, garantiram à Mercedes o sétimo título mundial consecutivo de construtores – um recorde na categoria. A escuderia alemã atingiu 479 pontos e não pode mais ser alcançada pela austríaca Red Bull, vice-líder do campeonato, com 226 pontos.

Com a vitória no circuito de Ímola, na Itália, Hamilton pode sacramentar o sétimo título na F-1 já na próxima corrida, daqui duas semanas, no GP da Turquia. Para isso, basta chegar em terceiro ou, caso termine em quarto, estabelecer a melhor volta da prova para garantir o ponto extra. Com 282 pontos, o inglês tem 85 de vantagem para Bottas e tem a chance de igualar o recorde de Michael Schumacher. O alemão possui sete conquistas e, atualmente, é o maior campeão da categoria.

Hamilton largou em segundo e caiu para terceiro na largada, mas assumiu a liderança após Bottas e o holandês Max Verstappen pararem para troca dos pneus, abrindo distância e consolidando a primeira colocação após o francês Esteban Ocon se acidentar, acionando o safety-car virtual. O inglês administrou a ponta até a bandeirada, seguido pelo finlandês, que se aproveitou de um pneu furado de Verstappen para tomar o segundo lugar. O australiano Daniel Riccardo completou o pódio.

O russo Daniil Kvyat cruzou a chegada na quarta colocação. Na sequência, apareceram o monegasco Charles Leclerc, o mexicano Sergio Pérez, o espanhol Carlos Sainz Jr., o britânico Lando Norris, o finlandês Kimi Raikkonen e o italiano Antonio Giovinazzi, completando a zona de pontuação.