GOVERNO DO ESTADO. BAHIA AQUI É TRABALHO

sexta-feira, 27 de março de 2020

Em tempos de crise, árbitros devem ser treinados e remunerados em vez de abandonados

Anderson Daronco é um dos árbitros parados no momento de crise do futebol brasileiro — Foto: Agência i7 / Mineirão 

Em tempos de crise, falar de dificuldade para quem recebe R$ 5 mil por mês é diferente de quem recebe R$ 1 mil ou R$ 10 mil. A dificuldade de viver sem renda por um tempo é muito maior para quem ganha pouco do que para quem ganha muito. O primeiro vai precisar de dinheiro para atender suas necessidades básicas de higiene, alimentação e saúde, enquanto os últimos vão precisar ajustar sua vida a uma realidade de recessão. A mesma analogia pode ser feita entre microempresários e multinacionais.  
Mas voltando a falar daqueles que dependem da diária para ter renda, a exemplo dos árbitros, e são funcionários de grandes empresas, a exemplo das entidades de futebol, seria lógico pensar em atividades remuneradas que pudessem ser realizadas à distância com os árbitros.
A profissionalização da arbitragem é uma pauta tão antiga que eu entrei na arbitragem com a perspectiva de ser profissionalizado e saí com a decepção de não sê-lo. Não é agora, ainda mais com a severidade da crise econômica e social, que os árbitros se tornarão profissionais. Mas enquanto amadores, os árbitros podem ser socorridos financeiramente em contrapartida de alguma ação alinhada com os objetivos estratégicos do “patrão”, no caso as Federações, a CBF, a Conmebol e a FIFA.
Um exemplo básico é manter os árbitros preparados para quando as competições voltarem. Isso é, ou pelo menos deveria ser, interesse dessas instituições. Então, promover treinamentos físicos, táticos e teóricos à distância, remunerando os árbitros pelo esforço, seria algo positivo e necessário para as entidades do futebol no sentido de qualificar seus profissionais, assim como para os árbitros no sentido de manter a forma e gerar renda nesse momento de crise.
Isso é investimento de cunho esportivo e social. É claro que existem outros casos ainda mais graves de pessoas que serão demitidas por conta dessa crise, mas esse assunto extrapola e muito a esfera esportiva e se resolve com política pública.
Mas nos últimos dias, voltando ao universo do futebol, li e ouvi vários gestores do esporte falando sobre a preocupação de socorrer os clubes e de manter os contratos dos jogadores, que também é muito importante. Mas não ouvi ninguém falando de ações concretas e efetivas para socorrer os árbitros. A resposta mais simples é lavar as mãos e dizer que os árbitros são profissionais autônomos. Mas as mesmas pessoas que minimizam o problema com essa resposta são aquelas que, contraditoriamente, querem excelentes performances quando suas competições voltarem.
Todas as crises geram tantas oportunidades quanto eliminam. Sua forma de pensar e agir é que vai definir se a oportunidade vai nascer ou morrer para você e seu negócio. Geram uma grande oportunidade aqueles gestores que enxergam o árbitro como investimento que faz parte do futebol profissional, mesmo sendo o único amador. Esses são gestores que aproveitam a crise para gerar lucro social, investindo no ser humano que vai lhe gerar o lucro econômico.

Jogador do Ajax acorda após dois anos e nove meses em coma

Abdelhak Nouri Ajax x Werder Bremen — Foto: Getty Images 

Depois de dois anos e nove meses em coma, o jogador holandês Abdelhak Nouri, do Ajax, recobrou a consciência, segundo informou nesta quinta-feira, em entrevista a uma TV local, o irmão do jogador, Abderrahim.  
Andelhak, conhecido como Appie, sofreu uma arritmia cardíaca no dia 8 de julho de 2017, aos 20 anos, durante um amistoso de pré-temporada do Ajax contra o Werder Bremen, da Alemanha.
Appie deixou o hospital e foi levado pela família para casa, preparada especialmente para recebê-lo. O jogador, que fará 23 anos na próxima quinta-feira, não consegue se comunicar verbalmente, apenas com movimentos da sobrancelha.
- Ele não está em coma mais. Ele dorme, come, franze a testa e arrota de vez em quando, mas ainda é extremamente dependente de nós. Mas devo dizer que desde que voltou para casa ele está indo bem melhor do que no hospital - afirmou Abderrahim.

terça-feira, 24 de março de 2020

Pep Guardiola faz doação milionária para ajudar vítimas do coronavírus

Resultado de imagem para PEP GUARDIOLA

Em função da pandemia do novo coronavírus, várias figuras ligadas ao mundo do esporte fizeram doações para ajudar no combate à doença. Nesta terça-feira (24), foi a vez do técnico Pep Guardiola fazer parte desse seleto grupo. Segundo informações do jornal espanhol Marca, o treinador do Manchester City fez a doação hum milhão de euros (cerca de 5 milhões e 500 mil reais) para a Fundação Àngel Soler Daniel, organização que é dirigida pelo Colégio Oficial de Médicos de Barcelona (COMB).
O investimento vai todo direcionado para a compra de equipamentos medicinais, como óculos, máscaras, luvas, desinfetantes e respiradores. Esse material vai ser distribuído entre centros médicos e residências de toda a Catalunha.
O jornal divulga ainda que a campanha de arrecadação do COMB obteve 33 milhões de euros até o momento. Além de oferecer condições para a compra de material médico, a iniciativa torna a instituição em condições a financiar a produção alternativa de respiradores artificiais e outros equipamentos de proteção, por meio da impressão 3D

Primeiro-ministro do Japão anuncia adiamento dos Jogos Olímpicos

Primeiro-ministro do Japão anuncia adiamento dos Jogos Olímpicos

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, anunciou nesta terça-feira (24) o adiamento dos Jogos Olímpicos em um ano devido a pandemia do coronavírus no mundo. Em conversa telefônica com o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, o premier japonês pediu pela mudança da realização do evento que estava marcado para começar no dia 24 de julho.

Shinzo Abe afirmou que o COI aceitou o pedido dele. Nos últimos dias, houve uma grande pressão sobre a entidade para que os Jogos fossem adiados. No último domingo (22), o Canadá anunciou a desistência de sua participação no evento. No mesmo dia, a Austrália comunicou aos seus atletas que não haveria a disputa.

Presidente do Estudiantes, ex-jogador Verón quer contratar Daniel Alves

Presidente do Estudiantes, ex-jogador Verón quer contratar Daniel Alves

A pandemia do coronavírus paralisou os jogos de futebol e suspendeu os treinos coletivos. Seguindo as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS), personalidades do esporte estão confinadas dentro de suas casas e sem muitas atividades, eles usam as "lives" nas redes sociais para falar do mundo da bola. Num desses bate-papos, o ex-jogador argentino e atual presidente do Estudiantes, Juan Sebástian Verón, revelou o desejo de contratar o lateral e meio-campista baiano Daniel Alves.

"Vou conversar com Daniel Alves para ver o que ele diz, e se tem vontade de vir", afirmou sobre possíveis reforços para o time.

Recentemente, o Estudiantes contratou o volante e zagueiro argentino Javier Mascherano. Ele foi companheiro de Daniel Alves por muitos anos quando defendiam o Barcelona. Além dele, o clube de La Plata também repatriou o lateral e zagueiro Marcos Rojo, emprestado pelo Manchester United.

"Javier (Mascherano) está muito contente (aqui) e esperamos ficar com ele por muito tempo. E Marcos (Rojo) também está bem. Seguramente vai prorrogar (seu empréstimo)", disse Verón.

Daniel Alves chegou ao São Paulo em agosto do ano passado após deixar o Paris Saint-Germain. Ele tem contrato com o Tricolor paulista até dezembro de 2022 e é o capitão do time comandado pelo técnico Fernando Diniz.

FIFA vai discutir adiamento das Olimpíadas e pode mudar idade limite para jogadores

FIFA vai discutir adiamento das Olimpíadas e pode mudar idade limite para jogadores

Os Jogos Olímpicos foram adiados em um ano, como divulgado na manhã desta terça-feira (24), e, com isso, ja foi levantada a preocupação sobre alguns atletas do futebol não poderem competir por conta do limite de idade. Entretanto, a FIFA declarou em nota estar aberta a possibilidades sobre fazer ajustes diante da mudança de calendário.

Após apoiar a decisão tomada pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) em transferir os Jogos de Tóquio 2020 para o ano que vem, a FIFA divulgou que vai discutir questões impactadas pelo adiamento. 

"A Fifa acredita firmemente que a saúde e o bem-estar de todas as pessoas envolvidas em atividades esportivas devem sempre ser a maior prioridade e, como tal, saudamos a decisão de COI de hoje. Além da decisão do COI, a FIFA trabalhará com as partes interessadas para tratar de todos os principais assuntos relacionados a este adiamento", anunciou a entidade máxima de futebol.

Uma das questões que devem ser analisadas trata-se dos jogadores que irão ultrapassar a idade permitida de competir os Jogos Olímpicos por conta do adiamento. Onze jogadores da seleção brasileira completam 24 anos até 2021 e estariam fora da competição.

segunda-feira, 23 de março de 2020

Membro do COI diz que Olimpíada de 2020 será adiada


O membro mais antigo do Comitê Olímpico Internacional, Dick Pound, revelou nesta segunda-feira que a Olimpíada de Tóquio 2020 será adiada. Segundo ele, ainda não há uma nova data prevista para o início da competição.
“Com base nas informações do COI, o adiamento foi decidido. Os parâmetros daqui para frente não foram determinados, mas os Jogos não começarão em 24 de julho, isso eu sei. Adiaremos e começaremos a lidar com todas as ramificações de mudar isso, que são imensas”, disse em entrevista ao jornal USA Today.
No último domingo, o COI realizou uma reunião de emergência e anunciou que a decisão será tomada nas próximas quatro semanas, descartando um possível cancelamento.
Além da manifestação de diversos atletas contra a realização dos jogos, o Comitê Olímpico do Canadá já declarou que não participará caso a Olimpíada se inicie de fato em julho.

Com brasileiros na lista, estudo aponta jovens mais valiosos do futebol europeu


O Observatório Internacional do Futebol divulgou nesta segunda-feira um estudo com os jogadores mais valiosos nascidos a partir de 2000. A lista considera atletas das principais ligas da Europa. Entre os dez melhores colocados, aparecem os brasileiros Rodrygo e Vinicius Junior, ambos do Real Madrid.
O topo do ranking é ocupado por jogadores do Borussia Dortmund. A primeira posição é do inglês Jadon Sancho, meia-atacante de 19 anos com valor estipulado em 198,5 milhões de euros (cerca de R$1 bilhão).
Em segundo lugar, aparece a nova sensação do futebol: Erling Haaland. O atacante norueguês de 19 anos se transferiu recentemente ao Borussia Dortmund e viu seu valor de mercado aumentar. Atualmente, o jogador é avaliado em 101 milhões de euros (cerca de R$ 559 milhões).

Após os jogadores do clube alemão, aparece a dupla de brasileiros do Real Madrid. Quem ocupa o terceiro lugar é Rodrygo, com preço estipulado em 88,9 milhões de euros (cerca de R$ 492 milhões). Já Vinicius Junior, quarto colocado, vale 73,9 milhões de euros (R$ 409 milhões).

Atletas pedem ajustes, e Comissão de Clubes prepara nova proposta para reenviar a sindicatos

Mário Bittencourt é o representante dos clubes na negociação com sindicatos de jogadores — Foto: Caíque Andrade

A proposta encaminhada pela Comissão Nacional de Clubes na última sexta-feira para atletas, via sindicatos, foi revista nesta segunda-feira pelos dirigentes, após videoconferência nesta tarde. Pela manhã, a Medida Provisória Nº 927, editada pelo governo federal neste domingo, foi motivo de discussão de clubes, de sindicatos e de atletas, mas parte do texto terminou revogado.
O conjunto de medidas provocou retardamento da contraproposta dos jogadores para os clubes. Os clubes - em encontro virtual realizado às 15h, desta segunda - tiveram acesso prévio aos pontos que mais incomodavam aos jogadores - por exemplo, o corte de 50% em salários e direitos de imagem, caso o futebol não retorne após os 30 dias de férias coletivas - e preparam novo documento para entregar aos sindicatos de atletas.
O presidente do Fluminense, Mário Bittencourt, é quem atualiza as propostas e negocia diretamente com os representantes dos atletas - há grupo de discussão por Whatsapp que reúne representantes da CBF, da Comissão Nacional de Clubes e alguns sindicatos. Mário conversou com representantes de jogadores e ouviu sobre a rejeição ao corte salarial. Pela CLT, por motivo de força maior, o salário pode ser reduzido em até 75%, mas não 50% - como estava na proposta original dos clubes.

Sette Câmara: "Nunca tinha visto união tão grande assim"

Um dos representantes dos atletas, o presidente do Sindicato dos Atletas de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (SAFERJ), Alfredo Sampaio, reforçou preocupação com a situação de jogadores, pois muitos - a maioria, ressalta - ainda têm dois, três meses de salários atrasados antes da paralisação e podem sofrer ainda mais com qualquer perda salarial.
O advogado Thiago Rino, que representa atletas em São Paulo e em outros estados do país, questiona a aplicação das propostas e lembra que nenhuma delas tem respaldo na Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). Entre as medidas, a principal discordância diz respeito à redução salarial.
No canal de Youtube do Atlético-MG, o presidente Sérgio Sette Câmara falou da nova reunião com os clubes. O Galo faz parte da diretoria provisória da Comissão Nacional dos Clubes, que ainda tem o Fluminense, o Bahia, o Grêmio e o Palmeiras. Na Série B, o Avaí e o Paraná.
- Não adianta imaginar que os clubes sem receita vão ter condição de honrar com as folhas sem que isso venha a impactar demais no restante do ano, porque nós todos sabemos que a maioria esmagadora dos clubes no Brasil passa por dificuldades financeiras. Deixar de ter receita e continuando a ter a despesa que é gerada todo mês acaba de inviabilizar tudo. Temos que nos unir para tentar salvar o futebol brasileiro, que corre risco - disse o dirigente do Galo.
- O Mário deve hoje nos enviar uma (nova) proposta que vamos encaminhar. Houve um primeiro contato, uma primeira conversa. Tudo ainda nebuloso, tivemos ontem à noite uma MP, mas já foi revogada (suspensão de quatro meses). Acho que nos próximos dias vão haver outras mudanças. Os clubes estão bem unidos. Nunca tinha visto uma união tão grande assim, no sentido de tentar honrar o máximo possível com os pagamentos devidos aos atletas, mas sem comprometer demais a saúde financeira dos clubes, porque temos que encontrar esse ponto de equilíbrio. É uma decisão que vai ser tomada por todos os envolvidos.